RODAS DE CAPOEIRA E REFLEXÕES SOBRE O FEMINISMO MARCAM O ENCERRAMENTO DA OFICINA “A MULHER NA CAPOEIRA”




O encerramento da oficina de desdobramento “A Mulher na Capoeira” ocorreu no último sábado, 26 de maio, na Casa de Cultura Jonas e Pilar. Além de apresentações de músicas autorais compostas pelos participantes e dos  trabalhos realizados durante a oficina que teve início no dia 05 de abril, aconteceu também um descontraído bate-papo com a coordenadora do Serviço de Referência dos Direitos da Mulher - SER Mulher da Universidade Estadual de Santa Cruz, Aline Setenta, e é claro muita roda de capoeira, com o grupo Raízes de Macuco, o Contramestre Pé de Chumbo e a Contramestre Bruna Setenta.


Aline relatou sobre a luta da mulher pela  libertação de padrões patriarcais, baseados em normas gênero e  levou a todos a refletirem sobre o real significado do feminismo. Ela explicou que feminismo, não é acreditar que a mulher seja melhor que o homem, e sim que os dois têm sua importância e seu valor sociedade. Mas acima de tudo, o que não nunca pode faltar é o respeito mútuo entre homem e mulher.



“A mulher na Capoeira” é uma das oficinas do projeto de Ações Continuadas da Casa de Cultura Jonas e Pilar, realizado pelo Instituto Macuco Jequitibá, com apoio financeiro do Governo do Estado, (Edital  de Apoio a Ações Continuadas de Instituições Culturais 2017/2020), através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia. A oficina foi coordenada pesquisadora em cultura, Contramestre de capoeira do Grupo Cordão de Ouro, Bruna Setenta, seu  objetivo é o  de  trazer para a discussão o processo histórico  das mulheres por espaço na Capoeira, que como qualquer outro esporte de luta sempre esteve associado ao universo masculino.


Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse: www.cultura.ba.gov.br