CARTA ABERTA À COMUNIDADE BUERAREMENSE E REGIÃO


Na última terça-feira (19/03) estivemos reunidos com o Poder Executivo Municipal, oportunidade na qual fomos comunicados da inviabilidade da realização do tradicional espetáculo teatral, A PAIXÃO DE CRISTO. 

A Administração Pública, pontualmente representada pelo setor jurídico do município, se manifestou desconfortável com a realização do projeto, tendo em vista o valor financeiro a ser custeado para a sua concretização. Desse modo, sugeriu alternativas para possibilitar parcerias desse tipo, porém, nenhuma que pudesse ser utilizada em tempo hábil para garantir a obra artística em questão.

Diante disso, faz-se mister elucidar à comunidade bueraremense e regional que, enquanto entidade, fizemos além do que esteve ao nosso alcance. É importante destacar, nesse sentido, que estabelecemos contato com a atual gestão desde novembro de 2016, quando ainda equipe de transição, para articular a realização do referido espetáculo no ano subsequente. 

Buerarema tem, nos últimos 6 anos, o posto simbólico de realizadora da maior Paixão de Cristo em toda a região grapiúna, utilizando menos recursos do que tantas outras, mobilizando mais de CEM atores populares, que estreiam à noite no palco e seguem a vida comum durante o dia. Sujeitos da zona urbana e rural, bairro Santa Helena, São Bento, Centro, Km2 e demais localidades.

Ressaltamos, ainda, que nos colocamos sempre acessíveis em negociar arranjos técnicos da produção, desde que não comprometessem a qualidade substancial da obra. Fica esclarecido que apenas iniciamos a pré-produção, com destaque aos 41 dias no período de ensaio e a organização de figurino, iniciada no mês de janeiro, porque fomos confirmados pelo Município desta parceria que, como narrado, não prosperou. Aos envolvidos neste processo, pedimos perdão.

Frustra-nos, como agitadores culturais e membros de uma comunidade culturalmente efervescente, a desimportância dada à cultura municipal. Ratificamos, agora publicamente, a necessidade de um(a) gestor(a) para a pasta da Cultura, bem como a revitalização do Conselho Municipal de Cultura, adormecidos há mais de dois anos.

Por fim, mas nunca silentes, reafirmamos o nosso compromisso com todos os atores, atrizes, produtores, diretores, colaboradores e idealizadores d'A Paixão de Cristo. Esta que é, sem dúvidas, a maior elaboração regional da representação histórica já conhecida. Assim sendo, não buscamos nada no plano ideal, mas a continuidade daquilo que sempre realizamos e que representa o mínimo da identidade de uma comunidade políticoculturalmente desassistida e artisticamente crucificada. 

Colocamos-nos à disposição para planejamentos que possam modificar positivamente este quadro. 

Cordialmente,
Instituto Macuco Jequitibá / Casa de Cultura Jonas & Pilar  Grupo de Teatro A Tribo - arte e sensibilidade

Anderson Andhy - Coordenador do Grupo A Tribo
Gideon Alves Rosa - Diretor de arte
Rafael Adelino Guirra Santos - Presidente