Dark Star - Um Confinamento no Espaço

maio 16, 2020


     Nessa fase de distanciamento social (ou é quarentena? Nem sei mais!) muitos de nós reinventamos as atividades e o tempo passado em casa. Em pequeno contraste com a aflição que atinge muitos, alguns experimentam a "privilegiada" sensação de boiar entre os dias sentindo tédio provocado pelo isolamento. Em comparação a essa situação flutuante montamos a próxima programação no cineclube com os clássicos espaciais estadunidenses Dark Star  (live dia 19/05) e 2001 : Uma Odisseia No Espaço (live dia 26). 



    Dark Star (1974) nasceu como um curta. Ao obter grande sucesso em festivais onde foi exibido foi transformado no primeiro longa-metragem dirigido por John Carpenter, que também compôs a trilha sonora. O roteiro e montagem ficaram por conta de Dan O’Bannon, que também atua no filme. Esse compartilhamento de várias funções da dupla deu um toque pessoal à película.
Carpenter tem uma carreira longa ligada aos gêneros terror e ficção científica,  , Halloween Eles Vivem, O Homem das Estrelas e Vampiros são algumas de suas produções mais conhecidas. Também se tornou notável por ter composto (ou em parceria) grande parte da banda sonora dos seus filmes e lançou o álbum de estúdio Lost Themes em 2015.

    Dark Star se enquadra como sci-fi e comédia. A produção teve baixo orçamento e usam muita criatividade para compensar, como no alienígena de estimação bizarro que Bannon adota e nos cenários apertados que colaboram com a temática talvez mais discutida no roteiro: a loucura causada pelo isolamento e confinamento.  Dark Star é o nome da nave em que seus poucos tripulantes homens estão há 20 anos, com a missão de destruir planetas “instáveis” preparando o terreno para futuras colonizações.
 Ao menos, visto que a tessitura do tempo muda conforme eles viajam no espaço, eles envelheceram aproximadamente apenas 3 anos. Mas de qualquer forma são 20 anos de convivência dentro da nave, com espaçadas transmissões à Terra, conversando com o computador de bordo e bombas usadas para destruir os planetas, ambos com inteligência artificial. 

       O computador de bordo de Dark Star é uma referência direta a 2001: Uma Odisseia No Espaço, que foi lançado em 1968. É uma voz feminina calma e suave que compõe o tempo cômico perfeito ao ser combinada com as cenas desesperadoras em que os astronautas se encontram. O papo filosófico das inteligências artificiais é outro paralelo. Mas não é minha pretensão falar muito de 2001 aqui, talvez apenas que acho esse filme uma homenagem a linguagem cinematográfica, o som e as imagens em movimento no tempo contando as histórias. Provavelmente John Carpenter se empolgou com a fita ao ponto de criar Dark Star, quase uma paródia cômica, sem tantos efeitos especiais mas com sua própria singularidade.


Postado por Lucas O. Rosário

You Might Also Like

0 comentários

Populares

Facebook